Quem se casou com Carolina de Ansbach?

Jorge II da Grã-Bretanha se casou com Carolina de Ansbach em .

Carolina de Ansbach

Carolina de Ansbach

Guilhermina Carlota Carolina (Ansbach, 1 de março de 1683 – Londres, 20 de novembro de 1737) foi a esposa do rei Jorge II e rainha consorte do Reino da Grã-Bretanha e do Reino da Irlanda de 1727 até sua morte.

Seu pai João Frederico de Brandemburgo-Ansbach era o marquês do pequeno principado germânico de Ansbach. Carolina ficou órfã ainda jovem e se mudou para a corte iluminista de seus guardiões, o rei Frederico I da Prússia e sua esposa Sofia Carlota de Hanôver. Ela expandiu na corte prussiana sua anteriormente limitada educação e adotou os ideais liberais de Sofia Carlota, que se tornou uma grande amiga e cujas visões muito a influenciaram durante toda sua vida.

Enquanto jovem, Carolina foi muito procurada como noiva. Depois de recusar a pretensão do arquiduque Carlos da Áustria, rei nominal da Espanha, ela se casou com Jorge Augusto, terceiro da linha de sucessão ao trono britânico e herdeiro aparente do Eleitorado de Hanôver. Eles tiveram oito filhos, sete dos quais sobreviveram até a idade adulta. Carolina se mudou permanentemente para a Grã-Bretanha em 1714 quando seu marido se tornou o Príncipe de Gales. Como Princesa de Gales, ela apoiou Jorge Augusto ao reunir uma oposição política contra o rei Jorge I. O Príncipe de Gales foi expulso da corte em 1717 depois de uma briga familiar. Ela se associou a sir Robert Walpole, um político da oposição que havia sido um ministro do governo. Walpole voltou ao governo em 1720 e Jorge Augusto e o rei se reconciliaram publicamente, seguindo os conselhos do ministro. Nos anos seguintes, Walpole subiu até se tornar o principal ministro do governo.

Carolina ascendeu a rainha e eleitora consorte em 1727 quando seu marido se tornou o rei Jorge II. Seu filho mais velho, Frederico, era o foco da oposição como seu pai anteriormente, e a relação dele com a mãe piorou com o tempo. Tanto como princesa quanto como rainha, Carolina era conhecida por sua influência política, que exercia para e através de Walpole. Seu reinado incluiu quatro regências enquanto Jorge estava em Hanôver e ela é creditada por fortalecer o lugar da dinastia hanoveriana na Grã-Bretanha durante um período de instabilidade política. Sua morte em 1737 foi muito lamentada não apenas pelo povo, mas também pelo próprio rei, que se recusou a casar novamente.

 Leia mais...
 
Wedding Rings

Jorge II da Grã-Bretanha

Jorge II da Grã-Bretanha

Jorge II (Hanôver, 10 de novembro de 1683 — Londres, 25 de outubro de 1760), da Casa de Hanôver, foi Rei da Grã-Bretanha e Irlanda de 1727 até à sua morte. Foi ainda príncipe-eleitor de Hanôver e duque de Brunsvique-Luneburgo.

Jorge foi o último monarca britânico a nascer fora da Grã-Bretanha: nasceu e foi criado no norte do Sacro Império Romano-Germânico. Em 1701, a sua avó, a princesa Sofia de Hanôver, ficou no segundo lugar na linha de sucessão ao trono britânico depois de cerca de cinquenta católicos que estavam mais próximos do trono do que ela serem excluídos devido ao Decreto de Estabelecimento de 1701 que restringiu a sucessão a protestantes. Depois que Sofia e a rainha Ana morreram em 1714, o seu pai, Jorge I, príncipe-eleitor de Hanôver, herdou o trono britânico. Durante os primeiros anos do reinado do seu pai, Jorge foi associado a políticos da oposição até eles se juntarem novamente ao partido governante em 1720.

Rei a partir de 1727, Jorge tinha pouco domínio sobre a política interna da Grã-Bretanha que era controlada majoritariamente pelo parlamento do país. Como príncipe-eleitor, passou doze vezes o verão em Hanôver onde tinha um controle mais directo sobre a política do governo. Tinha uma relação difícil com seu filho mais velho, Frederico, que apoiava a oposição do parlamento. Durante a Guerra de Sucessão Austríaca, Jorge participou na Batalha de Dettingen, em 1743, e assim tornou-se o último monarca britânico a liderar um exército durante uma batalha. Em 1745, apoiantes do pretendente católico ao trono, Jaime Francisco Eduardo Stuart ("O Velho Pretendente"), liderados pelo seu filho, Carlos Eduardo Stuart ("O Jovem Pretendente" ou "Bonnie Prince Charlie"), tentaram sem sucesso depor Jorge na última das rebeliões jacobitas. Depois da morte inesperada de Frederico em 1751, o neto de Jorge, Jorge III, tornou-se herdeiro aparente do trono, acabando por se tornar rei após a sua morte.

Durante os dois séculos que se seguiram à sua morte, a história desconsiderou Jorge II, concentrando os relatos sobre a sua vida nas suas amantes, mau feitio e aborrecimento. No entanto, a partir daí, alguns intelectuais têm vindo a reavaliar o seu legado e concluíram que o rei tinha e exercia a sua influência na política externa e em assuntos militares.

 Leia mais...
 

Localização do Casamento

Hanover, Hanôver, Alemanha